quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Gala, Aldeia, na altura estrada 109, sem número...

foto António Agostinho
Não nasci noutro local.
Nasci nesta rua, no sítio da actual casa nº. 103, a primeira da esquerda para a direita, a casa do poço do Tzé Maia.
A casa, à época, era uma habitação térrea e pobre de madeira, cheia de aberturas nas paredes, por onde no inverno o ar gélido passava como cão por vinha vindimada ...
Nasci por causa e graças a eles. O meu pai pescador - do bacalhau, do arrasto, da traineira, do rio. A minha mãe varina - de todo o peixe.
Ambos, descendentes de ílhavos  lutadores que vieram, a seguir às invasões francesas,  para sul do Mondego em busca de ver vida melhor.
Nasci, estava a despontar o ano de 1954.
Na altura,  a gente da Aldeia sonhava com peixe, sem pensar na exploração, antes em trabalho certo, que lhes permitisse dar de comer às famintas bocas que estavam em casa.
É possível que estas miudezas, pessoais e históricas, para alguns, interessem pouco.
A Cova e Gala da minha infância foi sempre a das casas térreas e pobres de madeira, cheias de aberturas nas paredes, por onde no inverno o ar gélido passava como cão por vinha vindimada .
Quando, mais tarde, as circunstâncias me permitiram viver noutros ambientes, continuei a guardar a memória da Cova e Gala dos meus primeiros anos, a Cova e Gala da gente de pouco ter e de muito sentir”, a Terra pequena e modesta nos costumes e nos horizontes da compreensão do resto do País e do mundo.

2 comentários:

Olímpio disse...

Que pedaços de vidas e que sentido de humildade, porra, pá... Tanto talento no vazio da memória.Abre horizontes de gentes nossas que sofreram para nos deixar a identidade do que temos hoje, a qual no alimenta a virtude de nos sentirmos gente. Gostei, francamente, um hino de cultura e do povo que somos, porra. pá...

Joao Catavento disse...

No mais profundo de nós e para sempre, como uma mãe, a origem a causa, a fonte da vida, que nos deu de beber e ergueu tantas vezes...
Força e sentimentos indestrutíveis, que mostram aquilo que fomos, somos e nos levará até ao fim...